Da Rua Pra Política: A 'onda Verde' Toma Europa 1

Da Rua Pra Política: A ‘onda Verde’ Toma Europa

São onze anos para salvar o planeta. É a data do ‘apocalipse’, fixada pelo Painel Intergovernamental das Nações Unidas sobre isso Mudança do Clima, a autoridade científica mundial sobre esta dúvida. A subida das temperaturas fará seca extrema, incêndios florestais, inundações e escassez de alimentos.

Até prontamente, por esse encerramento anunciado da Humanidade parecia não se preocupar muito com os eleitores e os líderes políticos, entretanto os resultados das eleições europeias notabilizam que a urgência climática reclama no final das contas um espaço na agenda. Na Alemanha, o Partido Verde dobrou o consequência de 2014 e ficou em segundo território, com 20,5% de apoios, superando o Partido Social-democrata.

  • Jun.2009 | 19:45
  • nove julho, 2019 às 08:37 | Responder
  • Partido Socialista. Antonio Fernando. Trinta minutos, com 10 de réplica
  • Se você tem a Falete, eu
  • Antonia Sanchez Garrudo
  • Salão de graça
  • Carlos Javier Prasca Muñoz (1999-2011)

Na faixa dos 18 aos 44 anos, foram os mais votados, ultrapassando os conservadores. A geração ambientalista, com um discurso pró-europeu e aberto ao acolhimento de imigrantes, consolida-se como a opção qualificado de neutralizar o desenvolvimento da extrema-direita Alternativa para a Alemanha.

A citação eleitoral confirmou que a ecologia importa os eleitores. De acordo com um relatório do Pew Research Center do passado mês de fevereiro, fundado em uma procura realizada com mais de 20.000 pessoas de 26 países, o planeta é a dúvida que mais rouba o sono dos cidadãos, diante do terrorismo. Movida por essa mesma inquietação, há alguns meses, uma estudante sueca chamada Greta Thunberg, fez uma pergunta: “O que é que eu vou encaminhar-se para a aula, se não possuo futuro?”.

Esse “futuro” batizou um movimento -Fridays for Future – protagonizado por adolescentes de todo o planeta que tomam as ruas pra demandar dos governantes medidas concretas que paralisem o desastre. Gonzalo Saénz de Miera, diretor de Mudança Climática Iberdrola. Graças à nova onda de ativistas do clima, como o grupo Extinction Rebellion, a consciência ecológica está subindo inteiros no Reino Unido, informa Carlos Fresneda.

Para Manuel Pulgar Vidal, ex-ministro do Clima no Peru e diretor do Programa de Clima e Energia do WWF, estas declarações de urgência “precisam ter conteúdo”, e também seu valor lógico simbólico. Mas neste momento o seu nome ressoar em todos os cantos do mundo, Greta Thunberg não foi a primeira. Precisamente nos Estados unidos, o partido democrata decidiu abraçar a circunstância climática.

O deputado mais jovem da história do povo, Alexandria Ocasio-Cortez, juntamente com o senador por Massachusetts, Edward J. Markey, apresentou, em fevereiro, um plano ambicioso até 2030 pra frear as emissões de poluentes. Batizado como New Green Deal, em um piscar de olhos ao promovido por Roosvelt, depois da Grande Depressão, o texto propõe uma transformação radical da economia americana pras energias renováveis. Embora tuas oportunidades de aprovação são praticamente nulas, o sucesso da quantidade é que coloca no centro do debate a luta contra a alteração climática.

investiu em um enorme leque de empresas malaias de setores como tecnologia, energia, serviços financeiros, transporte público e tintas e vernizes. Em 2015, Nazifuddin tornou-se vice-presidente do Comitê Olímpico da Malásia. No mesmo ano, negou as acusações de que ele joga com um esquema de pirâmide relacionada com uma moeda digital pela Tailândia. Nazifuddin tem defendido publicamente a seu pai que, em janeiro de 2016 saiu antigo chefe, após ter sido relacionado com a transferência de quase 700 milhões de dólares para contas pessoais de Razak.

Dmitri Peskov, porta-voz do presidente Vladimir Putin, declarou que os papéis de Panamá eram um plano para desestabilizar a Rússia e acusou a CIA de estar por trás da filtração. O meio de imprensa RT declarou que não há registro da autenticidade dos documentos publicados e que se trata de uma montagem contra Putin.

Em uma conferência de imprensa realizada no dia 7 de abril, Vladimir Putin, acusou os EUA de estar por trás dos vazamentos, que são imputado crimes contra de parentes seus. O presidente russo garante que Washington tem “cozido” os papéis de Panamá pra desestabilizar a Rússia e tem defendido as pessoas próximas a ele, que foram relatadas por construir sociedades offshore.